Introdução

Fazer a gestão de projetos nunca foi um tarefa fácil. Encontrar uma ferramenta Open Source e robusta também não.

O pessoal da Redmine acertou em cheio, e criou um software totalmente Web, Open Source, licenciado sob os termos da GNU General Public License v2 (GPL) e multi-plataforma.

Preparando o ambiente e resolvendo dependências

Particularmente, nunca havia instalado uma aplicação em Ruby (na verdade, nunca havia instalado o ruby, muito menos o rails), mas não tive grandes dificuldades.

Estou utilizando a distribuição Fedora Core 11, mas em qualquer distribuição baseada em Red Hat você não terá problemas, e a versão do Redmine que está sendo instalada é a 1.0.2.

# yum install build-essential

# yum install ssh openssh-server mysql-server phpmyadmin rails rubygems mongrel ruby1.8-dev libmysql-ruby subversion apache2 ruby irb rdoc rake libapache2-mod-fastcgi

# yum install mysql-devel

# yum install ruby-devel

As dependências dos programas e ou bibliotecas, serão resolvidas junto com a instalação das mesmas.

Instalando o Redmine

É necessário efetuar o download do software no site oficial do projeto, www.redmine.org, porém, como temos instalado o Subversion (estava no yum anterior), podemos apenas realizar o checkout do projeto direto do site.

# cd /opt

# svn checkout http://redmine.rubyforge.org/svn/trunk redmine

Criando a base do banco de dados (MySQL)

Para utilizarmos o Redmine, iremos criar uma base no banco de dados que baixamos via yum (MySQL).

Obs: Lembre-se de verificar se o banco está rodando.

# service mysqld status

# mysql -u root -p

mysql> create database redmine character set utf8;

mysql> create user redmine@localhost;

mysql> grant all privileges on redmine.* to redmine@localhost;

mysql> flush privileges;

mysql> exit

Configurando a base no Redmine

Para parametrizar a base de dados no Redmine, é necessário você abrir a pasta de configurações (se seguiu nosso padrão, localizada em /opt/redmine/config) e realizar as seguintes ações:

# cp /opt/redmine/config/database.yml.example /opt/redmine/config/database.yml

Abra o arquivo copiado (/opt/redmine/config/database.yml) com o seu editor de texto preferido e altere as configurações como mostramos abaixo.

# MySQL (default setup).

#Configure se estiver usando MySQL – como estamos mostrando aqui

production:

adapter: mysql

database: redmine

host: localhost

username: usuario_do_banco

password: senha_do_banco

encoding: utf8

development:

adapter: mysql

database: redmine_development

host: localhost

username: usuario_do_banco

password: senha_do_banco

encoding: utf8

Instalando o Redmine

Chegamos a parte tão esperado e a única que encontrei dificuldade na primeira vez que instalei o sistema.

Agora, após termos resolvido todas as dependências e ter configurado o banco, será necessário compilarmos o projeto.

# gem install -v=2.3.5 rails

# rake generate_session_store

Caso a mensagem "Rails requires RubyGems >= 1.3.2 (you have 1.3.1). Please `gem update --system` and try again." surja, basta fazer os comandos:

# gem clean

# gem update --system

# gem install rubygems-update

Isso “limpará o cache” do ruby e atualizará a versão.

Feito isso, podemos continuar a compilação:

# gem install rails --include-dependencies

# gem install mysql -- --with-mysql-config=/usr/bin/mysql_config

# rake db:migrate RAILS_ENV=production

# RAILS_ENV=production rake db:migrate

# RAILS_ENV=production rake redmine:load_default_data

Agora temos que dar acesso ao root nas pastas do Redmine e atualizar as permissões em outras:

# chown -R root.root /opt/redmine/

# chmod -R 755 /opt/redmine/files/

# chmod -R 755 /opt/redmine/log/

# chmod -R 755 /opt/redmine/tmp/

# chmod -R 755 /opt/redmine/public/plugin_assets/

Caso não tenha sido apresentado nenhum erro, já podemos iniciar o serviço e acessar a aplicação na porta 3000 do servidor (ex.: http://192.168.0.10:3000).

# ruby script/server webrick -e production

Pronto, agora o Redmine já está em produção!